29 de setembro de 2012

d0tEmPoDeMiM

No balanço de uma saudade mais que tanto, 
o meu peito flutua. 
Recordo o tempo em que o mar era meu manto. 
E se a minha voz ainda treme no seu canto
É porque ainda te choro na rua. 
Por isso baila o meu corpo rumo a um futuro deserto. 
Porque a saudade vem de longe e mora perto.

22 de setembro de 2012

m0mEnt0

Que faz a solidão dentro dos teus olhos?
Chora-me a dor que deixaste.
Que fazem os sonhos de costas voltadas?
Agasalham-me os medos.
Que faz o abandono à vida?
Cobre-a de ilusões.
E o amor?
Assassino-o de noite...

17 de setembro de 2012

cItAçÃo

As palavras que perdem o sentido no vento são como pequenas pétalas de fino papel: tremendamente belas, parecem eternas, mas acabam por morrer como uma borboleta.

9 de setembro de 2012

aFoGaMeNt0

Arrancada da pele marinheira
A vida afoga-se vazia
E a maré primeira
Cruel azia
Enche os sonhos de nada
Nem se faz à estrada
Fica no silêncio da inquietação
Como um jardim sem chão
Onde os pássaros vomitam a dor
Que um dia se chamou... Amor.

aLuCiNaÇã0

Prometo-te um poema de amor, meu amor. Sim, hei-de chamar-te "meu amor"... Posso, meu amor? Gosto da palavra "amor&quo...