28 de outubro de 2012

0mEuLuGaR

Leva um toque deste cheiro até ti
Deixa-o numa onda permanente a abraçar-te
O meu lugar é este tempo daqui
O meu tempo é estar sempre a encontrar-te

Leva uma maré até ao teu leito
Aconchega-lhe os sonhos da boa hora
O meu lugar é o tesouro do teu peito
O meu tesouro é esta luz que se demora

Leva-me para junto do amor
Em cheiros de maresia e saudade
O meu lugar é querer vida sem dor
A minha vida é um poço de eternidade

23 de outubro de 2012

ViDa

Vou lançar o meu sorriso ao rio
Fechá-lo na liberdade da sua viagem
Essa, que me transborda a alma em arrepio
E planta uma flor à passagem
A tua cidade, força de jardim banhado
No perfume que da pele se exalta
E tudo é amor abençoado
Onde existo, que faz falta
Assim, 
Entre passos nossos de voo tranquilo
Sementeiras de magia feita vida
Fico em ti e não vacilo
Por isso te amo nesta medida!   

12 de outubro de 2012

eTeRn0eMpAsSaGeM

Pousei como um pássaro ferido
Junto ao regaço de um sorriso de amor
Fiz-me outra vez poeta e cantor
Acreditei que já não voava ferido

Rompi pela força da magia
Em pleno desejo em prisão pousado
E da noite se fez luz, se fez dia
No surpreendente toque renovado

Quem me quis assim de novo
Como um sonho só presente?
E me refaço, me renovo
Na liberdade de ternura quente

Paz de corpo, incenso a arder
Perfumando a viagem
Pousei em ti e em ti me fiz viver
E ficar eterno em passagem!

9 de outubro de 2012

v0zTuA

Que do meu canto nasce a morte
Na saudade que ainda hoje chora
Teima em ficar, em não ir embora
Fica, sangra e demora
Nada que eu queira ou me conforte

Por isso a minha voz crua
Feita vento e poesia
Nem anuncia o dia
Terrível agonia
Desta voz ainda tua...

7 de outubro de 2012

oMaR

Regresso na maré encantada. Maresia na pele profunda. Amores que morrem na vida moribunda. Saudades vivas em ondas na madrugada. Poeta, eu, solto entre as chagas e o vazio. Sinto arder este tempo cruel e frio E por isso aconchego as lágrimas do meu sofrer Na imensidão do mar... Só ele as sabe ter!

1 de outubro de 2012

0uSaDiA

A noite não acaba e o silêncio queima
Rasgões na memória que o tempo teima
Entre um futuro adormecido na inquietação
De um passado que me foi arrancado da mão!

Cruel o destino do assassínio assim deitado
Pela ilusão de um caminho descansado
E o que fica da felicidade? 
Essa verdade...

Rouba-se de dentro na lágrima brilhante
Por entre os passos sempre adiante
Na dor que sangra cada olhar
Tudo porque um dia te ousei amar...

UmDiA

Um dia... Ao abrires a cama sentirás um frio estranho. Um vazio muito maior que o meu tamanho E nada sobrará a não ser passado... ...