26 de janeiro de 2017

hEnRiQuE

Que a vida se fez e se faz
Em sementes de amor e respiração
E eis, que o príncipe rapaz
Está seguro, forte e alegre no seu chão

Destes todos e destes tantos
Venham assim em meu olhar
Que em jardins de mares e espantos
Sejas da terra um eterno estar

Meu filho, grande e do tempo de mim
Sorriso aberto na história toda por fazer
E a vida que se fez, se faz e não tem fim
Há(s)-de ser sempre o meu amanhecer!

24 de janeiro de 2017

DiZeS-mE

Dizes-me que as noites em frente ao mar são regadas a vinho tinto. E que as mulheres cantam este bater na palma da sua mão. Dizes-me que cada volta nossa é bem mais que um abraço irmão. Dizes-me que queres sempre aquele canto louco entre a alma, o fogo e o coração. Dizes-me que todos os dias os rios correm para a foz mesmo que não. Dizes-me que sou o teu braço, o teu olhar e até o teu chão. Dizes-me o amor, o ser, o tudo que se diz e nunca isso é em vão. E porque me dizes tanto, em silêncio ou canção, és meu, irmão.

20 de janeiro de 2017

n0iTe

É de noite que tudo acontece.
É de noite que sou dono de tudo.
É de noite,
Alma que na minha vida tece
O meu grito canto, o meu grito mudo.

É de noite que sou o tal vadio
É de noite, em tempestades de ser
É de noite,
Alma que me traz calor e frio
De aconchego quente que nem chega a adormecer...

É de noite que me lembro de ti.
É de noite que sou poeta e vagabundo.
É de noite,
Alma de nunca estar aqui
Porque procuro sempre o meu lugar no mundo.


Para o meu amigo André, que reclamou o meu poema.

18 de janeiro de 2017

iNsPiRaÇã0

De noite, na madrugada de mim
Perto do mar, do infindável mar
Encontro um tesouro seguro:
A vontade de te ter e amar
Em leito corrente e puro
Onde me possa desaguar.

De noite, na madrugada de mim
Junto ao peito ardente
Volto-me de novo em canto meu:
Quero-te, minha doce pele quente
Que um dia me teve e prendeu
Fazendo de todo o tempo o presente!

16 de janeiro de 2017

aMiGoDeAbRaÇo

Se eu soubesse ser
Saberia também estar
Embora às vezes possa parecer
Que não consigo nem respirar
E como quem não respira, morre
Serei eu morta em respiração?
Ou é apenas esta vida que corre
Sem sequer eu lhe agarrar a mão?
Deixar-me não ser ou não estar
É um rio seco na montanha
Por isso se for preciso gritar
Ouvir-se-á a minha voz tamanha
E o meu amigo de abraço
Virá dar-me a cheirar uma flor
Porque tudo o que eu (lhe) faço
É feito de mim, isto é, de amor!

10 de janeiro de 2017

Nã0

Não me sangra mais a alma de sonhar
Não sonho mais rios a desaguar
Não desaguo mais a saudade em canções
Não canto mais amores e inquietações
Só me quero a mim.

Não me sussurro mais fortes gritos
Não grito mais os ventos interditos
Não interdito mais o sol no meu silêncio só
Não silencio a solidão por entre ternura e pó
Só me quero a mim.

Não te procuro mais nesta embriaguez
Não me embriago mais no vulcão da pequenez 

Não me atraso, não me deixo ir assim
Só me quero a mim!

2 de janeiro de 2017

oUsAdIaDoVuLcÃo

Será na ousadia do vulcão
Na embriagada loucura da semente
Será um passo meu feito canção
Um caos de terra, fértil quente.

Será no voo rasgante do colibri
No tempo parado a tremer
Será um passo meu longe daqui
Um sopro de sangue, corpo a ferver.

Será no cume de uma pele cheirosa
No mar aberto em mim lançado
Será um passo meu, flor e prosa
Um poema mais, grito entrelaçado.

Serás tu, serei eu, seremos nós!
A vontade viva da plantação
Será um passo corrente em nascente e foz
Assim tudo, na ousadia do vulcão...

LeGeNdA

Pac-man e suas princesas