28 de novembro de 2013

SeMpReMaRiA

Sei-te tempestade, em cada novo desalento
Fogo que varre a memória à passagem
Cratera de uma outra ilha, uma outra viagem
Lágrima que te serve de nó e alimento

Sei-te corrente, em cada grito lançado
Sobre o areal da tua inquietação
Canto selvagem, cheiro do coração
Fonte de pranto vivo e já cansado

Sei-te voz, carregada de colo e carinho
Sangue de mim, de amor e calo
Vómito, tela ou mesmo abalo
Ritual de nós, que se dá de mansinho

Sei-te aqui, agora, sempre e agora
Na volta da volta e da revolta que volta
No poema-verso de arma que se solta
Que adormece, que fica e se demora

Sei-te, assim, Maria!




SempreMaria, 28 abril 2009

27 de novembro de 2013

oQuEeUtEnHoEmMiM

"Trago no peito um segredo dos mares por navegar..." 
Trago no peito o mar todo, dos segredos por revelar. 
Canto os silêncios abertos, perdidos, aconchegados. 
Canto o aconchego mais belo, dos tempos já passados. 
Trago no peito a virtude, da ternura que se dá quente. 
Trago no peito a ternura, e a virtude de ser gente!
Canto a voz do amor, sorrindo ao destino.
Canto o sorriso do povo, na coragem de ser menino.
Trago no peito a minha mãe, a saudade que ainda chora.
Trago no peito a saudade, minha mãe, que não foste embora.
Canto os pedaços do mundo, em mim feitos jardim.
Canto-me sempre e sempre, porque só sei amar assim!

26 de novembro de 2013

aBrAç0iRmÃo

Cabem em mim as histórias, Pequena Pantera?
Claro que sim. És o Pequeno Príncipe!
E isso é o quê?
É um pouco de tudo e um muito de nada.
Um muito de nada?!!!!
Pois... Como se fosses capaz de, por magia ou apenas amor, esvaziar as coisas e parir de novo.
Parir de novo?!!!!
Sim. Uma nova história. Um poema. Uma canção. Um abraço...
Os abraços nascem, Pequena Pantera?
Obviamente! Nascem em cada gesto que tens.
E também morrem?
Pudera... em cada gesto que não tens.
São bons, os abraços, não são?
Raio de pergunta, Pequena Pantera! Dá cá um abraço e vamos tomar um chá!

19 de novembro de 2013

SuRrEaL

Pandemónio, cachaça e esfregona
avental, disco rígido e chupeta
um  dia vou a Barcelona
montado num cão a tocar trombeta

Bebedeira, bons conselhos e um pedaço de giz
alguns pionaises e cabos a dar com um pau
se pudesse voar, ia até Paris
aloucar-me à beira-rio. Nada mau!

Arrastadeira, empadão de carne e um quadro triste
horas de silêncios, sorrisos e trabalho
quem me dera ir a um lugar que não existe
e mandar tudo pó...

17 de novembro de 2013

PoDeSeR

Pode ser um pedaço
Pode ser uma estrela
Uma estrada de aço
O aroma da flor mais bela

Pode ser uma cidade
Pode ser uma inquietação
O som eterno da saudade
O toque suave da tua mão

Pode ser um beijo
Pode ser raiva apenas
Mais do que sinto ou vejo
Versos que transbordam dos poemas

Pode ser a morte
Pode ser o amor
Qualquer dia tido em sorte
O ronco deixado ao meu redor

Pode não ser mais nada
Pode também ser tudo
Serei SEMPRE aberto à madrugada
Por entre o que tenho e o que acudo!

13 de novembro de 2013

qUaNd0oAm0rSeDeIxAdIsTrAíDo

Palmilhando os silêncios que o dia me grita
Intranquilamente largado
Na dor sem lume, em cinza que dura maldita
O meu coração é um porto cansado

Nos jardins que a memória inventa e renova
Na loucura de quem sente este frio
Pergunto-me se cada soluço me comprova
Que de tão cheio vou morrendo tão vazio

Nas marés dos versos repetidos de mim
Volte-face entre o vento e os passos em frente
Embriaguez deste canto que se pousa assim
Dentro, dentro, entre o medo e o presente

Quero calar-me e ser saudade tanta!
Quero chorar e regar o amor!
Ser toque, sussurro, surpresa e manta
Vagabundo, poeta, cantor!

Quero levar-me ao infinito da vida!
Quero correr nos leitos do meu olhar!
Colorir de abraços cada recente ferida
E depois, finalmente, outra vez... amar!

12 de novembro de 2013

EsTrAdA


Sabes que a nossa estrada é um labirinto cheio de canteiros? Espelhos de nós, de mistérios, de sonhos, de poemas e canções onde nos deixamos perder vezes sem conta. E fazemos de conta que é uma estrada para andar e a gente não pára. Porque há ventos e mar. Os que inventamos ao acordar... ao adormecer... ao respirar... ao lutar. Somos viajantes dentro dos destinos! Peregrinos à solta de mãos dadas com o fogo. Saltimbancos mágicos que nos devolvem essa liberdade maluca e os beijos. Todos os beijos e abraços que soubermos dar enquanto houver estrada para andar... Sabes, Jorge. Amo-te. Assim. No encalce de todos os amantes também. Na ponta dos teus dedos que têm o cheiro dos mantos e das janelas. Na tua voz. Na tua história... De onde ilumino as flores e os frutos e os segredos e as solidões e o meu jeito de gostar de chorar... Nesta inquietude de ser maré forte. De tecer todas as malhas do olhar. De nunca querer chegar... Só para dizer que ainda há estrada e que a gente vai continuar... Para voltar a dizer que gosto de ti. Que hei-de cantar (te) até morrer. Encosta-te a mim...
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
Texto de dezembro de 2009, que repito hoje, num dia muito especial!


8 de novembro de 2013

Am0-tE

Leva-me num abraço até ao centro do amor
Guarda-me para sempre juntinho à tua pele quente
Quero perder-me na magia de ser amante e cantor
Quero ser rio que sorri a cada reflexo da corrente

Leva-me num beijo a ver o infinito da nossa vida
Dá-me a mão, sussurra-me o teu cheiro e dança
Serei a lua que ilumina a noite mais esquecida
Serei a voz do mundo e tudo se alcança

Estar apaixonado é um verso eterno de saudade
Um caminho repleto de jardins e pinturas
Por isso grito dentro de mim a alegria desta verdade
Por isso solto-me entre passos, fontes e ternuras!

5 de novembro de 2013

rEt0rNo

Se fores a Paris
Diz ao Sena da minha tristeza.
Conta-lhe as coisas que fiz
Mostra-lhe a cor da minha mesa
Do meu leito ou regaço.
Se fores a Paris
Conta-lhe que as coisas que faço
São da magia do nosso amor
Do ventre e do teu calor
Onde choro e rio também.
Se fores a Paris
Lembra-te da minha mãe.

Se fores a Paris
Diz ao Sena da minha voz.
Conta-lhe que ainda sei ser feliz
Como um rio junto da foz
Da margem ou da fonte.
Se fores a Paris
Deixa-te ficar numa ponte
E lança os teus olhos na corrente.
Cada lágrima passará junto dos cais
Para te cantar mais e mais
Aquela dor que ainda se sente e sente
E que teima em não ser cicatriz...
Se fores a Paris
Procura a minha morte no passeio junto ao rio
Essa é a minha história, o meu fio.
A passagem entre o cá e o lá
Essa terra que não há
Ou a que teimosamente me diz:
Pára de chorar e canta
Deixa que quando for a Paris
Deitarei o teu sangue como uma manta
Sobre o espelho do teu passado
Esse que te consome por todo o lado
Que te fala verdade e que te mente
Que se confunde com o presente
Ou que te fecha os punhos em luto puro
Só porque ainda não alcançou ou futuro
Ou tudo o mais que se pode dizer de quem
Traz no ventre a sua própria mãe
E grávido de muito, te grita num beijo doce
Vai a Paris como se fosse
Fazer amor por todo o lado
E depois, de mansinho e sem perguntar
Adormece o meu desassossego acordado
Para finalmente eu poder regressar...
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
15 dezembro 2009. Foto retirada da net.

PoDeSeR

Pode ser que os dias sejam apenas ilusões Pode ser que cada sonho se limite ao sumo das canções Pode ser que um poema consiga abrir o mar Po...