26 de fevereiro de 2011

c0rAçÃoAuSeNtE


Um sorriso apenas...
Quem sabe em passo de dança!
Tempestade forte, em dores plenas
De chagas, explosões e esperança...

Um toque só...
Quem sabe um sonho a acordar!
Maré alta, terrível flor e nó
Que o meu peito não desfaz nem consegue acalmar...

Um beijo outra vez...
Quem sabe demorado e quente!
Cego, adormeço na espera que se fez
Este tempo do teu coração ausente...

24 de fevereiro de 2011

!!!!?!?!?!?!?!?!?

Levanto um pé para andar
Olho em frente
Silêncio.
Rouco até no cantar
Nem sinto o vento nem os abraços.
O meu corpo parece que parou
E já nem sei se vou...

16 de fevereiro de 2011

hOjE

Nos olhos claros. No sorriso aberto.
Respiro a janela de um passeio à beira-mar.
Minha mão, sempre longe e sempre perto.
O meu corpo, eterno abraçar!
.
Na voz rouca. Nas cores da dança.
Canto um silêncio que nunca calo.
Minha voz, eterna fonte de criança.
O meu grito, passo e embalo!
.
E fico no desassossego de mim
Sem saber da inquietude em ti.
Rio forte, liberdade em fernesim
Alma de um sangue que nunca vi.
.
E fico na paz de um vento assim
Sem saber dos caminhos em frente.
Maré profunda do meu jardim
Que em flor descansa finalmente.

13 de fevereiro de 2011

eNc0nTr0dEdEnTr0

Como se fosse a terra que piso
O beijo mais preciso
Um toque apenas, conciso
Tudo é Encontro e calor outra vez!
Como se fosse o ar respirado
O abraço forte e cansado
Um olhar apenas, eternizado
Assim o Encontro em nós se fez!

De mão dada pelo tempo de ser
Silêncios e gritos a acontecer
Presença em ti, sempre a ferver
Encontro de dentro, eco do meu peito!
De copo cheio nos acordes a pousar
Rouquidão e punho erguido em tons de voltar
Saudade forte, poema, o nosso lugar
Encontro de dentro, manto colorido do leito!

10 de fevereiro de 2011

sÚpLiCa

A calçada rústica,
Ingreme
No cimo do monte,
O vazio
Os meus passos,
Apenas flores
Com que me aqueço de tanto frio
A cabana,
Silenciosa
No calor dos secretos intervalos
Os meus gritos,
Espasmos de amor
E só quero aconchegá-los...

6 de fevereiro de 2011

fAz


Faz-te ao mar! Existem as tempestades... Que gritam ao teu passar Mentiras, fantasmas, verdades... Tudo o que a vida balança Faz-te ao mar da esperança! Faz-te ao mar! Existem as praias belas... Que pousam na rede do teu cantar Fogos, poemas, aguarelas... Tudo o que a vida deixa a nu Faz-te ao mar, que o teu futuro és tu!

1 de fevereiro de 2011

pEsCaDoRi


Do voo rasante sobre os lagos tremendo
Das viagens entre o ir e o ficar
Meu amor, que de tão tarde te foste ao mar
E eu, tão cedo, já morrendo...

Dos prantos nas noites cantando
Da solidão dos braços feita em mim
Meu amor, sempre à beira de tudo, à beira do fim
E eu, ventania, esperando, esperando...

Das rugas nas minhas mãos sempre tuas
Do perder-te todos os dias sem saber
Meu amor, se virás de novo, ao amanhecer
E eu, gastando as minhas pétalas nuas...

Da barcaça no horizonte nevoeiro
Dos silêncios na ponta dos dedos
Meu amor, viver entre a morte e os medos
E eu, apenas, de cada vez, um sonho primeiro...

ChEgAdA

Falas-me das certezas do voo Do seguro porto da viagem Dos sorrisos e das lágrimas à passagem E de todas as pedras da caminhada. Ma...