9 de setembro de 2012

aFoGaMeNt0

Arrancada da pele marinheira
A vida afoga-se vazia
E a maré primeira
Cruel azia
Enche os sonhos de nada
Nem se faz à estrada
Fica no silêncio da inquietação
Como um jardim sem chão
Onde os pássaros vomitam a dor
Que um dia se chamou... Amor.

1 comentário:

Maria disse...

Neste mar nada se afoga. Apenas adormece. Tempo.ra.ria.mente.

;)

aLuCiNaÇã0

Prometo-te um poema de amor, meu amor. Sim, hei-de chamar-te "meu amor"... Posso, meu amor? Gosto da palavra "amor&quo...