21 de setembro de 2017

hIsTóRiAbAnAl

Existe no campo de batalha, bem no meio do campo de batalha, uma pequena raiz, marcada pelo tempo. É rija e experiente, a pequena raiz. O campo de batalha é, como todos os campos de batalha: um local de mortes e moribundos, mentiras e gritos, raivas e sonhos, lama e vazios. Aquela pequena raiz bem no meio do campo de batalha vai resistindo às inúmeras guerras que por ali passam. Guerras sem sentido e guerras de amor. Guerras de cegos e de loucos. Guerras. A pequena raiz dará flor, como sempre deu. Não se sabe por quanto tempo haverá cor e cheiro no campo de batalha, mas esses momentos serão únicos e mágicos. É sempre uma bênção o nascimento de uma flor. Quando ela sorri ao sol ou dança ao vento, a flor do campo de batalha parece ainda maior e mais única e mais mágica. Mas de novo regressará à pequena raiz, enterrada bem no meio do campo de batalha. Ficará à espera. E de novo será flor. E é sempre assim. Não acabarão os campos de batalha nem as raízes. Por isso esta é uma história banal.

aTuAaUsÊnCiA

A tua ausência morde-me o tempo e já não sei muito bem contar. Contar os dias que faltam ou contar os passos obrigatórios. Sabes que o me...