4 de junho de 2012

SeReNaTa

Rumo ao infinito de um tempo certo
Sorriso nos trilhos, mão dada
O meu corpo, saber-te perto
O meu amor, respiração abençoada!
.
Se canto sorridente os dias contados
Num límpido de luz a descoberto 
É porque estes versos só podem ser cantados
Rumo ao infinito de um tempo certo
.
Os meus olhos brilham mais
Quando acordam nos aromas da madrugada
Tudo se torna, de novo, mar e cais
Sorriso nos trilhos, mão dada
.
Sou-te tanto de tudo querer alcançar
Um espelho de sonhos em nós aberto
Que se faça sol, céu e mar
O meu corpo, saber-te perto
.
Tanto assim, dentro de cada desejo
Útero de uma alegria germinada
Forte o abraço, doce o beijo
O meu amor, respiração abençoada!



3 comentários:

Maria disse...

Em completo estado de graça... com um sorriso que te adivinho daqueles que me apetece guardar para sempre. O teu sorriso. O teu olhar de menino. E o teu abraço amigo...

OUTONO disse...

"Tanto assim, dentro de cada desejo
Útero de uma alegria germinada
Forte o abraço, doce o beijo
O meu amor, respiração abençoada!"

Sublime amigo!

Ailime disse...

Muito, muito belo o seu poema.
Beijinhos,
Ailime

m0rAsEmMiM

Moras na solidão mas os teus olhos são de mar Moras na solidão mas o teu bairro é a tua voz Moras na solidão mas o teu corpo é de bail...