10 de março de 2014

DeScAnSo

Não regresso ao cais da partida
Não grito mais uma dor
Levo comigo a minha vida
Entre o chegar e a despedida
Que me faz poeta e cantor

Não procuro o rio que corre 
Não me deixo cair mais
Serei gravidez no leito que morre
O verso e a canção que me socorre
De todos os cantos deste nosso cais

Não renego o passado por entre o olhar
Não sei de nada, não quero mais nada.
Poder finalmente sorrir e descansar
No toque profundo das vozes do mar
É tudo o que quero desta minha estrada

Sem comentários:

m0rAsEmMiM

Moras na solidão mas os teus olhos são de mar Moras na solidão mas o teu bairro é a tua voz Moras na solidão mas o teu corpo é de bail...