7 de abril de 2017

cHÃo

O chão é um retalho medonho que os meus passos carregam em si.
É uma alma seca e longínqua que uma noite me perdeu aqui.
É uma torre de um castelo pousado nos sonhos que nunca são.
É, talvez, unicamente, o pedaço visível dos suores do meu coração.

As pedras ao acaso,
O tempo sem perdoar,
Eis o que voo louco e raso
Da andorinha que se abate sem cessar...

As raízes escondidas,
O solto sopro de cada chorar,
Eis as canseiras longas e perdidas
Da andorinha que se abate sem cessar...

O chão é um poema tremendo que nos queima em cinzas vivas, encarnadas.
É um bater que não se esconde, viagens penetrantes e cansadas.
É um dedo apontado que chama na ternura de um perdão.
É, assim, as inquietudes disto, a que teimosamente, chamo chão.

Sem comentários:

m0rAsEmMiM

Moras na solidão mas os teus olhos são de mar Moras na solidão mas o teu bairro é a tua voz Moras na solidão mas o teu corpo é de bail...