7 de agosto de 2017

AqUeDaQuEmEeStÁaMaTaR

Eis a grande questão: o tempo e a dedicação.
Eis o grande mal: o amor e o coração.
E neste rame-rame de tremenda inquietação
Surge, de novo, o vagabundo, dono da sua solidão.

Adiante, outra vez diante do espelho
Atrás de tudo que já se fez demasiadamente velho
O tempo volta-se para dentro, jardim sem flor
Cantando a eterna oração: o amor.

Por isso a morte surge em salvamento
E talvez se faça dor e lamento
Sem nunca efetivamente acontecer:
Só se morre quando se morrer!

Dono de mim, do meu destino
Entre o vagabundo, o amante e o menino
Fico-me pelo suor das noites e dos dias
Às voltas nas minhas melodias
E nada acontece, e nada faço.
Só pele enrugada, seca e cansaço
Para nada, para nada, para mesmo nada.
Afogo-me mais um pouco em cada madrugada
E não vejo. Não quero. Não ando. Não me dou ao mar
E muito menos me deixo na queda que me está a matar...

1 comentário:

Maria disse...

Sem comentários. mas com um forte abraço. Dos nossos.

aTuAaUsÊnCiA

A tua ausência morde-me o tempo e já não sei muito bem contar. Contar os dias que faltam ou contar os passos obrigatórios. Sabes que o me...