12 de julho de 2010

m0rRi-TeEvIvI-tE


Morri-te no encontro da ternura
Carregado de um tempo e de um sorriso
Mais do que quero, mais do que preciso
O momento ainda teima, ainda dura...
Vivi-te sangue e fogo em doce caminhar
Palavras de tanto, palavras por dar
Vozes em mim, vozes do mar
Aberto assim sem nunca parar.
Morri-te e vivi-te, ontem, para hoje acordar...


Morri-te no abraço eterno e lento
Que fica para sempre na saudade
Mais do que um rio, mais do que o vento
O mundo todo, vagabundo do amor e da cidade...
Vivi-te completo e firme. Passo seguro
Jardim de tanto, jardim sem muro
Entre a claridade que grita esse grito no escuro
Feito leito na corrente de um sémen ainda puro
Morri-te e vivi-te. E ainda perduro!
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
Obrigado, Carol, pela foto. Obrigado, Zé, pela vida. Obrigado, Maria, por mim. Obrigado a todos!

7 comentários:

Maria disse...

Não tenho palavras agora, Pedro.
Volto depois de te digerir.

Abraço-te.
(eu é que te agradeço...)

Filoxera disse...

Nós é que te agradecemos, Pedro.
Um beijo.

Maria disse...

Há momentos que teimam em não nos deixar. Momentos que duram anos. Às vezes uma vida. Embora eu não saiba quanto tempo é uma vida.
Há palavras de ti nascidas que são flores que rego todos os dias, para não murcharem. Porque as quero vivas dentro de mim. Vida.
Há abraços que são eternos e são muito mais do que alguém entende. Sentem-se sempre, mesmo quando a distância nos separa.
É um abraço desses que sinto agora, e que te dou também, apertado, de cortar a respiração, de morrer e viver. Como um grito. O que calamos quando os nossos olhares se cruzam.
Sémen puro jorrando de vida por viver. Ainda. Leito feito nós. No grito.

Beijo-te, tanto...

zmsantos disse...

Fica-me a certeza, que, mesmo no deserto mais inóspito se pode ENCONTRar um oásis onde descansar, e retomar o fôlego.
Até ao próximo, Pedro!

Obrigado.

Apenas eu disse...

Abraço-te com todo o tempo.
és uma pessoa linda. muito linda.

mariam disse...

Pedro,

Grata eu, por poder partilhar desses momentos que ficam eternos na memória e no coração também.
Lindo o teu poema.

um abraço e o meu sorriso :)
mariam

Lídia disse...

... :) eu agradeço-te.

aTuAaUsÊnCiA

A tua ausência morde-me o tempo e já não sei muito bem contar. Contar os dias que faltam ou contar os passos obrigatórios. Sabes que o me...