27 de novembro de 2013

oQuEeUtEnHoEmMiM

"Trago no peito um segredo dos mares por navegar..." 
Trago no peito o mar todo, dos segredos por revelar. 
Canto os silêncios abertos, perdidos, aconchegados. 
Canto o aconchego mais belo, dos tempos já passados. 
Trago no peito a virtude, da ternura que se dá quente. 
Trago no peito a ternura, e a virtude de ser gente!
Canto a voz do amor, sorrindo ao destino.
Canto o sorriso do povo, na coragem de ser menino.
Trago no peito a minha mãe, a saudade que ainda chora.
Trago no peito a saudade, minha mãe, que não foste embora.
Canto os pedaços do mundo, em mim feitos jardim.
Canto-me sempre e sempre, porque só sei amar assim!

1 comentário:

Maria disse...

Carregas tanto...... e o poema é tão bonito!

Abraço-te.

m0rAsEmMiM

Moras na solidão mas os teus olhos são de mar Moras na solidão mas o teu bairro é a tua voz Moras na solidão mas o teu corpo é de bail...