19 de dezembro de 2013

bLiNdAd0

Rápido o sopro de um tempo de inverno prostrado no meu peito. Como um relâmpago, vai-me consumindo o rosto e os sorrisos. Gostava de ser um navio aberto ao infinito, perdido nos sonhos de um vagabundo. Arrasar nos meus passos todos os instantes da tua voz e dos poemas. Mergulhar nos abraços do presente e cantar. Sempre cantar
Qual o sentido desta passagem?

________________________________________________

 Forte o olhar do mar. Como um sol tornado manto, vai levando pela mão o menino. Não sei se um dia haverá paz nas tuas histórias. Gostava de ser um desenho a nadar na ONDA. E de mansinho, malandro, oferecer-te um segredo.

2 comentários:

Jose disse...

Da passagem são os sentidos. Os teus. Os meus. Os sentidos de quem procura achar nesta vida a vida dos outros. Abraço-te.

noMar disse...

feliz natal, Pedro.

abraço forte.

rEgReSs0a2012...

As palav r as que perdem o sent i do no vento são como pequenas pétalas de fino papel: tremendamente belas, parecem e t ernas, mas acabam ...