17 de fevereiro de 2014

v0o

Levo-te na viagem que um dia me trará de novo
Roubo um sopro ao vento e embalo
Serei a liberdade em mim, simplesmente.
Porque o meu corpo tem o peso do que tenho e não calo

Volto-me ao infinito, canção eterna e luz
Rente a um jardim ainda por construir
Serei a voz que me devolve os sonhos
Flor e cores entre o ficar, o ser e o partir


Sem comentários:

rEgReSs0a2012...

As palav r as que perdem o sent i do no vento são como pequenas pétalas de fino papel: tremendamente belas, parecem e t ernas, mas acabam ...