14 de maio de 2012

SiLêNcIoDoSgRiToS

Falas-me no silêncio dos gritos
Que de madrugada se levantam
Fervores e passos tão aflitos
Que em mim nunca se encantam
Perco-me em mortes e inquietações
Sonhos, pesadelos e mitos
Por isso calo as minhas canções
No silêncio dos teus gritos
Arranho a alma sem conforto
Por um abraço mais que seja
Anuncio-me em vida assim morto
E tudo o mais que me sobeja

5 comentários:

Maria disse...

Recorrente este silêncio. E o grito. É assim que encontras a outra metade de ti. O outro lado.
Tudo o mais que te sobeja é já tanto... e eu fico com a saudade. Em estar.

mar disse...

sempre senti o silêncio como um dos maiores gritos... é um estrondo...

beijo Pedro

Maria

OUTONO disse...

...deixa-te perder nesses silêncios ...saboreia apenas as plavras do teu sonho...caminha nos ventos da lavra...sempre!

mariam disse...

/desassossego/... belo poema!

beijinhos :)
mariam

mariam disse...
Este comentário foi removido pelo autor.

ChEgAdA

Falas-me das certezas do voo Do seguro porto da viagem Dos sorrisos e das lágrimas à passagem E de todas as pedras da caminhada. Ma...