23 de setembro de 2013

RaMoSr0sA

Solta-se o vento dos teus versos
Flores vermelhas, cantares dispersos
Na grandeza de cada palavra quente
Viverás em mim eternamente!

Que da pegada deixada fruto e cor
Que da voz, ternura e amor.
Árvore forte, secular entre a gente
Viverás em mim eternamente!

Não se calará o sabor único no horizonte
Mel dos meus lábios no teu nome a monte
Vais, ficas... e é isso a maré da tua semente:
Viver em nós eternamente!

1 comentário:

Maria disse...

Enquanto houver um (nem que seja o único) leitor da sua poesia, Ramos Rosa não morre.
Já se eternizou na poesia que nos deixou.

LeGeNdA

Pac-man e suas princesas