19 de abril de 2015

aPaLaVrA

Inicia-se, de novo, a palavra.
A que serve de consolação
A que cega na sua ilusão
A que não se ousa calar
Ingénua, de tanto (se) arriscar.
Dignidade. Safira.
A palavra serve a verdade
Tanto como serve a mentira...

Sem comentários:

aLuCiNaÇã0

Prometo-te um poema de amor, meu amor. Sim, hei-de chamar-te "meu amor"... Posso, meu amor? Gosto da palavra "amor&quo...