11 de maio de 2015

DeUmAaLmA

Foi nas margens da amargura
Que encontrei o teu fado
Um enorme grito abençoado
Feito da tua alma mais pura
Foto de Mário Almeida

Sinto-te nesse sorriso que dura
Na corrente do teu cantar
E de novo te vejo passar
Nas margens da (tua) amargura

Quando por vezes já cansado
Por dentro do que não se vê
Se procura então o que se lê
Encontro (assim) o teu fado

Deixo-me então desse lado
Como quem adormece por fim
De um anor que há em mim
Um enorme grito abençoado

É por isso, amiga de tanta candura
Que te chamo para a eternidade
No teu desejo de vida e verdade
Feito da tua alma mais pura







1 comentário:

Ana Lains disse...

O meu amigo é maravilhoso. Que lindo Pedro!
Já estou a ver-me a canta-lo ;) ;)

rEgReSs0a2012...

As palav r as que perdem o sent i do no vento são como pequenas pétalas de fino papel: tremendamente belas, parecem e t ernas, mas acabam ...