24 de dezembro de 2016

NaTaL

Foi daquele lugar vazio certo
Em mortes longas e anunciadas
Que me fiz só, tão longe e tão perto
Das ceias de todas as madrugadas

Criei as memórias, fantasmas e cores
Em cânticos de paz e felicidade
No lugar vazio dos meus amores
Onde não há nem tempo nem verdade

Somos as narrativas de cada momento
Em fortes angústias e todos em cio
E eu, sem nada. Nem acerto nem alento
Quase que me desejo naquele lugar vazio...

1 comentário:

Maria disse...

E tu, com tanto. Quase tudo.
Abraço-te.

rEgReSs0a2012...

As palav r as que perdem o sent i do no vento são como pequenas pétalas de fino papel: tremendamente belas, parecem e t ernas, mas acabam ...