30 de dezembro de 2016

aLv0

Quando acordei, senti-me estranho por tal sensação. Um repentino cansaço e vontade de correr. Uma euforia suada sem destino. Foi quando acendi a luz no quarto e reparei que ainda era de noite. Afinal o tempo está também cá fora, pensei. E foi nesse concluo fantástico que me levantei e bebi um copo de água na cozinha. Afinal de contas somos animais. Quis telefonar ao meu irmão mas não encontrei o telefone. Quis escrever-te mas não vi a caneta. Quis obviamente cantar mas a voz saia-me demasiadamente aguda. Quis então simplesmente olhar à minha volta e era de noite. Regressar de onde viera não estaria nos meus planos e assaltava-me a ansiedade de fazer qualquer coisa. Uma desbunda na vizinha de baixo ou uma conversa de bêbados algures na cidade. Quem sabe um passeio pelo rio simplesmente. Sentia-me estranho ainda e mal conseguia sossego para sequer pensar. Estaria com pressa?

Sem comentários:

ChEgAdA

Falas-me das certezas do voo Do seguro porto da viagem Dos sorrisos e das lágrimas à passagem E de todas as pedras da caminhada. Ma...