29 de dezembro de 2016

vEnHaAtEmPeStAdE

Da lápide solitária que se estende no horizonte
Do sossego inquieto em silêncios perturbados
Venha a água, maior sémen do monte
Venha a tempestade.

Do romper da queimada antiga
Do cheiro nauseabundo e velho
Venha a paz, em peregrinação amiga
Venha a tempestade.

Da viagem cega, às voltas de regresso
Do tambor alvo no coração duro
Venha a mesa, em eterno recomeço
Venha a tempestade. 

Sem comentários:

aLuCiNaÇã0

Prometo-te um poema de amor, meu amor. Sim, hei-de chamar-te "meu amor"... Posso, meu amor? Gosto da palavra "amor&quo...