20 de janeiro de 2017

n0iTe

É de noite que tudo acontece.
É de noite que sou dono de tudo.
É de noite,
Alma que na minha vida tece
O meu grito canto, o meu grito mudo.

É de noite que sou o tal vadio
É de noite, em tempestades de ser
É de noite,
Alma que me traz calor e frio
De aconchego quente que nem chega a adormecer...

É de noite que me lembro de ti.
É de noite que sou poeta e vagabundo.
É de noite,
Alma de nunca estar aqui
Porque procuro sempre o meu lugar no mundo.


Para o meu amigo André, que reclamou o meu poema.

1 comentário:

Maria disse...

Só falta a cach. limão.
;)

m0rAsEmMiM

Moras na solidão mas os teus olhos são de mar Moras na solidão mas o teu bairro é a tua voz Moras na solidão mas o teu corpo é de bail...