16 de janeiro de 2017

aMiGoDeAbRaÇo

Se eu soubesse ser
Saberia também estar
Embora às vezes possa parecer
Que não consigo nem respirar
E como quem não respira, morre
Serei eu morta em respiração?
Ou é apenas esta vida que corre
Sem sequer eu lhe agarrar a mão?
Deixar-me não ser ou não estar
É um rio seco na montanha
Por isso se for preciso gritar
Ouvir-se-á a minha voz tamanha
E o meu amigo de abraço
Virá dar-me a cheirar uma flor
Porque tudo o que eu (lhe) faço
É feito de mim, isto é, de amor!

Sem comentários:

aTuAaUsÊnCiA

A tua ausência morde-me o tempo e já não sei muito bem contar. Contar os dias que faltam ou contar os passos obrigatórios. Sabes que o me...