10 de janeiro de 2017

Nã0

Não me sangra mais a alma de sonhar
Não sonho mais rios a desaguar
Não desaguo mais a saudade em canções
Não canto mais amores e inquietações
Só me quero a mim.

Não me sussurro mais fortes gritos
Não grito mais os ventos interditos
Não interdito mais o sol no meu silêncio só
Não silencio a solidão por entre ternura e pó
Só me quero a mim.

Não te procuro mais nesta embriaguez
Não me embriago mais no vulcão da pequenez 

Não me atraso, não me deixo ir assim
Só me quero a mim!

1 comentário:

Maria disse...

Tem dias.....
Abraço-te.

rEgReSs0a2012...

As palav r as que perdem o sent i do no vento são como pequenas pétalas de fino papel: tremendamente belas, parecem e t ernas, mas acabam ...