8 de setembro de 2010

CiCl0


Solta-se a pantera no tempo inquieto
Perde-se o silêncio, o sossego, a razão do presente.
A minha mão foge no abraço pesado e secreto
Com que se pintam os ventos de um calor ainda quente...

Depois, ao amanhecer sem nada no colo
O rosto longe, em viagem de uma outra era
Morre mais um pouco. Só e sem consolo
De um dia ter sido rio a lágrima da pantera

3 comentários:

Maria disse...

- Pequena pantera, não te quero ver chorar.
- Mas não vês que estou perdida?
- Vem ao meu colo e deixa-me secar-te as lágrimas.

E lá foram os dois, vento e pantera, à descoberta da vida.

(que raio de comentário...)

zmsantos disse...

Belo o poema. Belo o comentário da Maria.
Resta-me guardá-los, aos dois, e ficar muito quieto no meu canto...

Beijos e abraços.

Apenas eu disse...

e a pequena pantera secou a lágrima feita rio... no calor que encontrou no teu abraço e depois o vento empurrou-os pois era preciso dar o 1º passo para se iniciar a caminhada!

e foi assim...

beijos

aLuCiNaÇã0

Prometo-te um poema de amor, meu amor. Sim, hei-de chamar-te "meu amor"... Posso, meu amor? Gosto da palavra "amor&quo...