6 de agosto de 2011

aRmAdAdEmIm


Abre-se o mar ao dia
No horizonte dos sonhos e das viagens
Poema embrulhado
Canção perdida
Gota de um calor que não enferruja...
Abre-se o dia ao mar
Na calmaria da eternidade
Grito inquieto nos silêncios
Vento que se deseja mais que sempre
Armada de mim
Nos cheiros que o meu corpo mistura
Aos poucos
Devagar
A medo
Talvez
Só para ficar...

2 comentários:

Lyra disse...

"Cada novo amigo que ganhamos no decorrer da vida aperfeiçoa-nos e enriquece-nos, não tanto pelo que nos dá, mas pelo que nos revela de nós mesmos. Enquanto o amor passa, a amizade volta, mesmo depois de ter adormecido um certo tempo."

Já tinha saudades.
Beijinhos e até breve!

Lyra ;)

Maria disse...

Abriu-se a noite ao luar
Cansada de tanto navegar
Em todas as marés de ir
Esperando a volta do vir
Nos ombros todo o cansaço
De quem não cheira o sargaço
Mas que sabe amar o mar
Como quem ama um olhar
Na corrente sempre a seguir
Os caminhos de ir e vir
Com o corpo feito em pedaços
E o coração cheio de abraços...

PoDeSeR

Pode ser que os dias sejam apenas ilusões Pode ser que cada sonho se limite ao sumo das canções Pode ser que um poema consiga abrir o mar Po...