5 de outubro de 2011

jÁbAsTaTuDo

Não digas nada. Deixa que o silêncio traga a noite e a noite me devolva o rio. As minhas lágrimas são fontes desta minha inquietude. Nas margens de todos os sonhos. No sussurro da paixão. Na intranquila maré do meu grito. Não digas nada. Por favor. O dia tem demasiada luz... Talvez encontre um tempo vazio onde consiga finalmente adormecer. Ou simplesmente ficar para sempre. Já basta tudo!

3 comentários:

Maria disse...

Abraço-te. Em silêncio.

Filoxera disse...

A vida não é uma reta.
Tudo muda. Não sabemos quando.
(Desculpa. Tive de dizer. Telepaticamente acho que não chegaria aí...).
Um abraço.

zmsantos disse...

e o Tempo tudo desvanecerá...
Abraço.

aLuCiNaÇã0

Prometo-te um poema de amor, meu amor. Sim, hei-de chamar-te "meu amor"... Posso, meu amor? Gosto da palavra "amor&quo...