23 de outubro de 2011

oFuTuRo

Vento que me levas os olhos
Diz-me do sossego da casa
Canta-me uma história de sonho
Que no meu peito se demora e não se atrasa...

Vento que me levas o sorriso
Diz-me do silêncio das dores
Segreda-me os beijos molhados
Que me levam para onde tu fores

Vento que descansas em paz
Na vigilância dos abraços por dar
Dorme na mão estendida sempre e sempre
Que o futuro é esta forma de já cá estar

3 comentários:

Maria disse...

Tenho água a saltar-me dos olhos
Sal que escorre pela face sem parar
Não me basta saber da tua ausência
Pois sem ti não consigo respirar

Tenho água a escorrer entre os dedos
De tanta força faço para aguentar
O silêncio e a dor que me provocas
Porque sem ti é difícil respirar

Tenho água a subir entre as margens
Rio de amor que nunca mais soube amar
De tanto te querer em vento ou chuva
Descobri que só assim é possível respirar.

Gosto tanto de ti...

zmsantos disse...

Mil abraços,irmão.

OUTONO disse...

...e ainda bem que estás...

Abraço!

PoDeSeR

Pode ser que os dias sejam apenas ilusões Pode ser que cada sonho se limite ao sumo das canções Pode ser que um poema consiga abrir o mar Po...