6 de janeiro de 2014

VaLe(S)

Vale o silêncio das flores...
ou as maiores dores
Valem os teus sonhos um a um...
 ou a preGuiça de não aceitar nenhum
Vale a alegria (n)do teu sorriso...
ou o secreto murmúrio preciso
Vale cada abraço como o minuto...
ou o leito já enxuto
Vale o canto dos suores e a saudade...
ou o nosso canto na cidade
Vale o espaço entre nós...
ou a permanência de estarmos sós
Vale a Distância, a pureza...
ou carregar o manto da certeza
Vale o embrulho da casa...
ou o meu corpo feito brasa
Vale o que fazemos e não fazemos...
ou mesmo tudo o que ainda não perdemos
Vale o passo cerTo e o feijão...
ou o brilho do nosso coração
Vale o ínFimo pormenor...
ou o olhar de nos sabermos de cor
Vale o cuidado e a ternura...
ou o toque que se beija em água pura
Vale o carrasco insuspeito...
ou o medo que me rói o peito
Vale o céu e o mar...
Todo o tempo de te amar!

1 comentário:

Maria disse...

Gosto. Sobretudo destes versos:
" Vale o passo cerTo e o feijão...
ou o brilho do nosso coração "
:)

Beijos

m0rAsEmMiM

Moras na solidão mas os teus olhos são de mar Moras na solidão mas o teu bairro é a tua voz Moras na solidão mas o teu corpo é de bail...