20 de janeiro de 2014

gRaViDeZ

Pudesse a espera ser água,
Sempre fonte, a dançar e a cantar
E seguramente se chamaria mar...
Pudesse o desejo ser terra,
Brotando flores e cheiros sem fim
E talvez se chamasse manto ou jardim...
Pudesse a ansiedade ser céu,
Conjunto de pinturas sem cansar
E provavelmente se chamaria ar...
Pudesse o medo ser sossego
Ternura e sorrisos plantados nos vendavais
E com certeza os meus olhos não chorariam mais...

2 comentários:

Jose disse...

Pudesse contagiar, eu, todo o mundo, com a tua felicidade...

(As noites em Moledo são muito frias...)

Beijos aos dois!

Maria disse...

Os teus olhos agora só sorriem. E tanto...

Beijos aos dois.
(eu, grávida de avó)

DeHoJeDeSeMpRe

Esta flor que nasce no vento Este sorriso que trago em mim Sabe-me melhor no momento Em que me acordas assim Este mar que s...