11 de fevereiro de 2009

aBrIg0


Existe um canto no teu abraço que me serve de abrigo. Onde me deito e choro sempre que o meu grito não sai ou sempre que o silêncio soa alto demais. Talvez seja a noite ou apenas os meus olhos... Talvez seja aquele horizonte fora de mão... o arranhar dos sonhos nos meus lábios secos... palavras amontoadas nos meus versos... repetidas flores... num vazio tão cheio que transborda por entre os meus dedos. Que não páram. Num sufoco tremendamente fertilizante. Por isso te chamo. Como um abrigo. Para me encontrar em ti. Espelho deste olhar vagabundo que se perde vezes sem conta sem saber porquê. Para renascer. Quero mais um poema!

7 comentários:

Ana Martins disse...

Um belo pedaço de prosa poética!!!
Parabéns!

Beijinhos,
Ana Martins

Maria disse...

Cada frase que escreves é um poema. Cada canto do teu abraço é um abrigo. Cada olhar teu é uma lágrima que fertiliza a terra. Ou um sorriso que me alegra. E em que renasces a cada momento.

Um beijo, Pedro

Lúcia disse...

'o meu cantinho no mundo' como digo a quem me dá esse abrigo.
É isso pedro, que tão lindamente descreves!

Maria P. disse...

Talvez seja um abrigo...

Beijinho, Pedro*

Apenas eu disse...

Tu és um poema Pedro.

Beijo Pedro

cristal disse...

Que bom esse abrigo!

Um Abraço Pedro

mariam disse...

Pedro,
vim ler o que ainda não havia lido.
fantásticos poemas! como sempre. o poemas é tu!

bom fim-de-semana
um sorriso e um...'até já'
mariam

aLuCiNaÇã0

Prometo-te um poema de amor, meu amor. Sim, hei-de chamar-te "meu amor"... Posso, meu amor? Gosto da palavra "amor&quo...