28 de janeiro de 2013

LoNgE

Longe o toque da calmaria
O rebento abraço de um acordar
Leva-me uma corrente em agonia
Para que me perca no fundo de mim, junto ao mar

Talvez não regresse assim na luz
Ou na tempestade que me caiu em sorte
Vou, longe, chorar perto da cruz
O sabor solitário da vida na morte


2 comentários:

Maria disse...

Sei que são palavras.
E sei mais, porque te sei.
(às vezes não queria entender tanto...)

Sei-te bem, neste exacto momento.
E sinto-te.
Amo-te!

Abraço-te.

mar disse...


Atão!!! :)

Um beijo e um abraço!

PoDeSeR

Pode ser que os dias sejam apenas ilusões Pode ser que cada sonho se limite ao sumo das canções Pode ser que um poema consiga abrir o mar Po...