2 de junho de 2013

dEs0rIz0nTe

Nesta luz que respiramos junto ao mar
Silêncios e distâncias nos meus passos
E as ondas, chorosas, gritam ao desaguar
Uma dor amarrada aos meus cansaços...

Vagueiam intranquilas no seu pesar
De pele já seca de tantos abraços
E o sangue que corre sem parar
Desfaz-se em fumo e pedaços...

A vida, assim no seu caminhar
Sem a ternura dos espaços
Não vale o seu lugar.
Não merece os seus regaços...

1 comentário:

Maria disse...

Olho as tuas palavras e vejo-te em cada uma.
E sinto-as todas.
Leio-te devagarinho desatando cada nó que se faz.
E engulo-os todos.
Visto a inquietação o sufoco o cansaço a solidão.
E abro o meu peito.
Deixo-me sossegar no abraço que nos demos.
E no rio de que és feito.

Para ti. Sempre. Uma vez, e outra, e outra...

Abraço-te. Cheio.

m0rAsEmMiM

Moras na solidão mas os teus olhos são de mar Moras na solidão mas o teu bairro é a tua voz Moras na solidão mas o teu corpo é de bail...