2 de janeiro de 2015

DeIxA-mEiR

Estar tão longe que existe a possibilidade de não conseguir.
Deixa-me ir...
Gritar tantos silêncios que algum irá eclodir.
Deixa-me ir...
Cantar o mundo na solidão sempre a pedir.
Deixa-me ir...
Não saber das distâncias de cada sentir.
Deixa-me ir...
Saber que a saudade é alimento e fogo a fugir.
Deixa-me ir...
Arrancar do peito o sangue, o desejo e o que vai cair.
Deixa-me ir...
Adormecer perto demais da dor que teimou em não sair.
Deixa-me ir...
Chamar o poeta e ele nunca vir.
Deixa-me ir...
Ficar, então, na inquieta tela de nada fruir.
Deixa-me ir...






1 comentário:

Maria disse...

Fica!
E creio ser a terceira vez que escrevo aqui a palavra 'FICA'.

aLuCiNaÇã0

Prometo-te um poema de amor, meu amor. Sim, hei-de chamar-te "meu amor"... Posso, meu amor? Gosto da palavra "amor&quo...