14 de janeiro de 2015

FoIaSsIm

No cais vazio do canto que vai
Na solidão tranquila que tropeça mas não cai
No sossego desta embriaguez feita rio
No calor do tanto que é ter frio...

No poema de ti, em lágrimas fortes e roucas
Nas distâncias, sempre muitas, sempre poucas
Na saudade, eterno mar em mim cantado
No sonho que tento, no meu dormir acordado...

Na viagem que se quer e se faz
Na loucura de morrer de amor e paz
Na canção que fica nas paredes do meu andar
No sorriso onde o teu nome irá desaguar!

Sem comentários:

m0rAsEmMiM

Moras na solidão mas os teus olhos são de mar Moras na solidão mas o teu bairro é a tua voz Moras na solidão mas o teu corpo é de bail...