8 de maio de 2011

dEsTaSpArEdEsBrAnCaS


Desta parede branca que todos os dias me passa à frente. Destas vozes que a cada momento invadem o meu sentir. Destes passos longos. Pesados. Por onde se perdem de repente os pedaços de nós que ainda estão por vir. Os sonhos. Respirações ao abrigo dos abrigos e das paredes brancas que guardam os silêncios fortes. Eu fico. Na leitura interior que se respira. Mesmo quando o nosso corpo transpira e as canções regressam. Não importa se a noite vem. Ou se o dia é cúmplice. Sonhar é o movimento dos nossos deuses. Mesmo na terra molhada que cheira a memória. Ou no seco pó que os Homens espalham pelos caminhos. Por isso é que a minha voz é rouca e triste. Ao sabor das lágrimas de amor. Dos segredos das flores. Das marés coloridas que rodopiam pelas praias. E tu, mão dada, vestes-me desta sofreguidão. Nos sonhos que se inventam e vão. Pelas paredes brancas... E o tempo passa.

1 comentário:

Ailime disse...

Amigo,
Quanta ternura, quanta saudade, quanto amor nas palavras que transbordam da sua alma.
Grata por partilhar.
Beijinhos,
Ailime

PoDeSeR

Pode ser que os dias sejam apenas ilusões Pode ser que cada sonho se limite ao sumo das canções Pode ser que um poema consiga abrir o mar Po...