18 de maio de 2011

mArÉ


Um dia sonhei que morria nos teus braços. Nestes sonhos que vamos tecendo quando as noites nos assaltam sem querer. Sorrias-me no olho de rio. Cantavas-me um sopro de ternura. A tua mão conversava o tempo. O teu segredo era só meu. Porque assim o inventei nesse dia em que sonhei que morria nos teus braços. Para no raiar do sol correr no areal da minha existência, feliz, gritando o nome da VIDA!

2 comentários:

OUTONO disse...

Um dia sonhei...escrever no céu do meu interior com a palma do coração, o verbo mais liberto de ser, no correr da vida que fica.
Encontrei-me com ele...o fluxo de sangue quente...a vibrar de questões...zangado por não ser loucura de vela..peito feito ao amor...e zarpar na apneia do sonho.
Um dia sonhei...e todos os dias sonho que sonhar é um sonho que gosto de sonhar!

Maria disse...

O meu segredo continua a ser só teu. Um segredo nosso. Deixa a chuva cair e lavar-te a alma. E continua a sonhar... pois assim és!

PoDeSeR

Pode ser que os dias sejam apenas ilusões Pode ser que cada sonho se limite ao sumo das canções Pode ser que um poema consiga abrir o mar Po...