25 de maio de 2011

eXiStEuMtEmPo


Existe um tempo que no meu peito se faz
Por entre as margens do meu cantar.
Voz rouca que de tudo é capaz
Lágrima que da corrente se refaz
No seu leito, sempre em direção ao mar...

Existe esse tempo que tanto me traz
Como se fosse simplesmente o meu respirar.
As dores que cada esquina ainda me traz
Sangue e pele que nunca se satisfaz
No seu leito, que em mim se deixa desaguar...

Existe outro tempo, eterno ou fugaz
Levado pelos voos que se espalham no ar.
Voltas e revoltas de amores, coisas boas e coisas más
Feitas tatuagem que nos meus olhos brilham dentro e atrás
No seu leito, rasgão de um corpo que se deixa gritar!

1 comentário:

aTuAaUsÊnCiA

A tua ausência morde-me o tempo e já não sei muito bem contar. Contar os dias que faltam ou contar os passos obrigatórios. Sabes que o me...