29 de março de 2012

pErCa?

Verto o grito da solidão
Rasgando o futuro
E o tempo parou.
Cego este presente sem perdão
De me enjaular num amor puro
E não saber para onde vou.

Procuro paz no silêncio que não existe
Perdendo a corrente
E o rio segue incerto.
Não encontro senão este andar triste
Perdido no meio de tanta gente
Em versos de um peito demasiadamente aberto.

Valerá a pena amar assim
Ser sorriso pleno e forte
E dar, dar, dar, dar?
Talvez um dia seja dono de mim
Para não morrer às portas da morte
Para não me perderes no teu amar...

Sem comentários:

PoDeSeR

Pode ser que os dias sejam apenas ilusões Pode ser que cada sonho se limite ao sumo das canções Pode ser que um poema consiga abrir o mar Po...