18 de março de 2012

v0lTeFaCe


Volte-face é tempestade
Ronco do tambor em peito aberto
Que deixa a vida demasiadamente perto
Num caminhar cheio de amor e de verdade

Tantos anos num arrepio sem saber
Dos sonhos que a alma tece
E tudo se faz, tudo acontece
Na medida certa de cada amanhecer

Sou dono da minha vida
Nem tormento nem maré
Abro o mundo em tudo o que me é
Fecho memórias a cada despedida

Nem vale a pena chorar os companheiros
Que a morte se anuncia na corrente
Do muito que se faz o meu presente
Arranco nos meus passos fortes e certeiros

Sem comentários:

PoDeSeR

Pode ser que os dias sejam apenas ilusões Pode ser que cada sonho se limite ao sumo das canções Pode ser que um poema consiga abrir o mar Po...