3 de junho de 2015

Nã0oLhEs0mEuSoRrIs0

Não olhes o meu sorriso assim
Não procures a memória e esse cheiro
Vezes sem conta que chove em mim
O desencontro de um nascer derradeiro
Não me olhes, não!
Que carrego todo o mar que dentro existe
Perdido na corrente e quem sabe na ilusão
De saber-me o tanto que é ser-se triste
O tanto que é ser amor e dor
O tanto que se encostou num fim.
Não olhes o meu sorriso assim...

Por favor.

1 comentário:

Maria disse...

Já te li vezes sem conta.
Não tem jeito. Hoje não sai nada.
O nó que me estrangula a garganta
quase me impede de respirar.

Abraço-te.

aTuAaUsÊnCiA

A tua ausência morde-me o tempo e já não sei muito bem contar. Contar os dias que faltam ou contar os passos obrigatórios. Sabes que o me...