14 de junho de 2011

aLt0


Que os dias cantem sem parar!
Soltem-se as vozes da liberdade e do amor.
Abram-se as estrelas em versos de silêncios, frutos deste andor
Fontes de rios que correm soltos com sede do mar.
Que as memórias fiquem fontes deste tempo de rasgar
Paredes inquietas das construções do frio e do calor
Cantem-se os hinos de todas as viagens ao fundo da dor
É chegado o momento de abrir as janelas, sorrir e ficar!

1 comentário:

Maria disse...

Gosto deste teu sorriso... e de tudo o que se esconde por detrás dele...
;)

Abraço-te e aperto-te!

aLuCiNaÇã0

Prometo-te um poema de amor, meu amor. Sim, hei-de chamar-te "meu amor"... Posso, meu amor? Gosto da palavra "amor&quo...