25 de dezembro de 2011

EsPeRa

Varre o chão que encontras na passagem. Escolhe bem cada silêncio. Depois senta-te e espera. Talvez um dia as folhas do outono se revoltem com o vento.

1 comentário:

Maria disse...

Não vou esperar um ano que para que venha o outono. A minha revolta é outra, e é de todos os dias. Talvez um dia eu voe com o vento, qual folha caída no chão.

aLuCiNaÇã0

Prometo-te um poema de amor, meu amor. Sim, hei-de chamar-te "meu amor"... Posso, meu amor? Gosto da palavra "amor&quo...