14 de fevereiro de 2012

tRaNqUiLo

Tranquilo segue o rumo desta viagem
Horizonte de um mel colorido que sorri
Embrião que se refaz sempre em ti
Manta que recebe a voz da nossa passagem

E grita canções de amor e de alegria!
Abre as mãos em abraços de mais um dia!
Largo cais onde gravita a poesia!
Onde tudo existe em tudo na procura de nós.
E funde-se nas memórias que pintam o futuro!
Rio de flores de um céu mais que puro!
Ventre fecundo de um caminhar bom e seguro!
Onde tudo é ser isto: eternamente foz.

Tranquilo o marinheiro no ventre da sua amada
Construção das almas ao sol que nasce aberto assim
Por isso, os sons que de dentro acordam a madrugada
São os batimentos deste coração que me devolveste a mim

1 comentário:

Maria disse...

Gosto da tranquilidade do marinheiro...

PoDeSeR

Pode ser que os dias sejam apenas ilusões Pode ser que cada sonho se limite ao sumo das canções Pode ser que um poema consiga abrir o mar Po...