14 de fevereiro de 2012

DaPaLaVrAm0rTe

Da palavra morte sobra-me a lágrima.
Corre vagabunda no meu olhar
Sem nunca se fazer desaguar...

Da palavra morte sobra-me a dor.
Explode-me forte no peito
E o caminho torna-se mais estreito...

Da palavra morte sobra-me a memória.
Sorri no grito que dou mesmo em solidão
Para se fundir em todos os versos da minha canção...

Da palavra morte sobra-me a tristeza.
Invade bruta em ternura infinita cada segundo
Com que respiro quando regresso ao mundo...

Da palavra morte sobra-me a vida.
Que de tudo o que foi tudo será
Porque verdadeiramente "morte" não há...


Dedico este poema a uma senhora que conheci durante escassos minutos, mas que na força da voz e do olhar me soube ensinar muito mais do que eu já sabia...

2 comentários:

Maria disse...

É o que nos sobra da morte: a VIDA!
Já do resto do poema não sei...

Abraço-te.

Ailime disse...

Excelso poema.
A morte perpetua-se no Amor que deu Vida.
Bjs.
Ailime

PoDeSeR

Pode ser que os dias sejam apenas ilusões Pode ser que cada sonho se limite ao sumo das canções Pode ser que um poema consiga abrir o mar Po...