29 de fevereiro de 2012

eNtReGa

Que um sopro apenas te traga a luz
Que o entardecer te cante uma ternura em paz
Sê o meu jardim que me agarra e seduz
Na entrega que só a tua mão é capaz

Que os sons do rio te abracem bem
Que a noite seja manto, alma e te leve atrás
Sê a minha história que me consome também
Na entrega que só a tua mão é capaz

A tua mão
Fonte de correr em beijos mil
Leito de sonhos primaveril
Na flor que nasce na tua canção

Que uma lágrima te banhe o sorriso lindo
Que grite na corrente onde quer que vás
Sê este sangue quente luzindo e pedindo
Na entrega que só a tua mão é capaz

Que tudo e tanto em vento forte seja eu
Que corra no abraço que a saudade me traz
Sê o tronco deste amor que faço meu
Na entrega que só a tua mão é capaz

A tua mão
Fonte de um nascer em novo Abril
Leito de sonhos primaveril
Na flor que nasce na tua canção

3 comentários:

Maria disse...

Ia escrever sobre a tua mão. Ou a minha mão. Ou outra, que não uma qualquer.
Mas relendo o poema, pergunto onde está a música...

;)

Filoxera disse...

E desta tua entrega acaba de nascer mais uma canção :-)
Beijos.

OUTONO disse...

...o doce canto do teu poetar!

Abraço!

aTuAaUsÊnCiA

A tua ausência morde-me o tempo e já não sei muito bem contar. Contar os dias que faltam ou contar os passos obrigatórios. Sabes que o me...