9 de janeiro de 2009

a0jEiToDeFl0rBeLa


Volta-me o amor em cada esquina
Solta-me os cabelos e afaga-me o olhar
Nos seus passos de menina
Vou morrendo mais um pouco sem cessar
.
Morrerei sempre por amor
Em lágrimas, em gritos, em soltos gritos!
E os meus versos serão de dor
E os meus passos interditos...
.
Aconchega-se assim no meu peito

Entre o suor e a saudade
Que do amor respira o vento e o leito
Que me faz ser poeta. E nunca é tarde!

9 comentários:

Vekiki disse...

Eu também morrerei sempre por Amor :-)

Paula Raposo disse...

Tão linda a foto! Sem amor e sem paixões que seria da Poesia?!! Beijos de bom fim de semana.

Apenas eu disse...

estava a ler as tuas palavras e de repente ouço, está a nevar.
Vejo os flocos brancos e leio-Te, mas que momento!
Nunca é tarde para nada.

beijos Pedro e um Abraço.

Maria disse...

O amor volta sempre. Uma e outra vez.
Em Maio ou em Dezembro. Aqui ou no Alentejo. De Florbela...
Depois, morrerei sempre de amor.
Para voltar a viver...

Um beijo, Pedro

mariab disse...

Sempre por amor. Senão que sentido tem a vida? Gostei desse cheirinho de Florbela. Beijo

Alice Matos disse...

Jeito gostoso...

Beijo Pedro...

Há um poema teu no Pensamentos...

PreDatado disse...

Ao jeito de Florbela e ao seu. Muito bem!
Ah, é verdade e com uma excelente foto.

Multiolhares disse...

Porque o amor faz parte do universo,
ele vive para lá das estrelas, vai e volta
como as ondas do mar
beijos

mariam disse...

Pedro,

a par do belo par de "Fernão Capelos" são belíssimas e intemporais as quadras d'amor.

um sorriso :)
mariam

aLuCiNaÇã0

Prometo-te um poema de amor, meu amor. Sim, hei-de chamar-te "meu amor"... Posso, meu amor? Gosto da palavra "amor&quo...