29 de maio de 2009

nAdAaAsSiNaLaR

Sabe-me a palavra poema

A sossego que se inquieta

A sangue a flor a mar

A vento que se entranha

A onda rente ao peito

A fome a sonho a janela aberta

A fogo solto em nós

A tempo a silêncio canção

Resistência

Tapete almofada

Punho abraço

Sino caminho feito luta

Passos saltos gritos

Hinos

Embriaguês penetrante

Procuras

Enontros

Curvas sobre o areal

Pequenos traços garatujas

Feridas discursos fonte

Desvios falésias coração

Que marca marca marca marca

Cada pedaço de tanta inquietação

Que é viver. Passar apenas por aqui...

6 comentários:

Maria disse...

Pudessem todas estas palavras caber num único dia de nós... e a vida seria CHEIA!!!!!!

Beijo grande, Pedro.

Apenas eu disse...

Olá Pedro :)
Olhei a foto e tentei encontrar-te... não te vi :(

Ainda voltei a procurar-te nas palavras em cada pedaço teu, ler-te Sabe-me a Vida.
E o que é a vida senão isto tudo?


beijinhos muitos

fui...

AnaMar (pseudónimo) disse...

Viver e por em cada coisa que fazemos um pouco de nós.
E passar por aqui, para te ler.
Bj

Lídia Borges disse...

Como dizer o efeito destas palavras em mim. As palavras "martelam", como a vida!

Li e reli... e gostei tanto!

as velas ardem ate ao fim disse...

Um bjo Pedro

(Amei o livro.Obrigada)

Delirius disse...

Olá Pedro! Cheguei aqui através da Lidia! Passei (apenas) por aqui uns minutos largos, e não foi um passar "apenas", por adorei o que vi e li.
Beijo.

aLuCiNaÇã0

Prometo-te um poema de amor, meu amor. Sim, hei-de chamar-te "meu amor"... Posso, meu amor? Gosto da palavra "amor&quo...