28 de junho de 2010

0mEuSiLêNcIo


O meu silêncio marca o passo do meu andar Corrente que se escorre pelo tempo sem desaguar Leito de lágrimas e de paixões por encontrar
Talvez um corpo mais. Este segredo onde te esvais...
O meu silêncio chora cada segundo deste cantar
Tempestade a norte, no sul do vento sempre a passar
Reflexo de águas em mágoas de assim me aproximar
De um corpo mais. Este segredo onde te esvais...
O meu silêncio, sangue de veias a apertar, a apertar
Saudades de tudo em monte de ir e ficar
Mapa feito rosto de tanto se encantar
Por um corpo mais. Este segredo onde te esvais...
O meu silêncio dói-me no seu vagabundear
Réstia de vida e morte, de mão dada a namorar
Fogo no toque de fugir para de novo voltar
Num corpo mais. Este segredo onde te esvais...

4 comentários:

Maria disse...

Não sei do teu silêncio. Nem do olhar com que me abraças. Não sei de ti. Nem do sangue a ferver-nos nas veias. Não sei das marés de ir e vir. Nem do segredo onde te esvais...

Beijo-te.

G... disse...

Um dia, Pedro... conta-me o segredo. De como se pode escrever assim...

tagskie disse...

hi.. just dropping by here... have a nice day! http://kantahanan.blogspot.com/

Paula disse...

O meu silêncio marca o passo do meu andar...

gostei da poesia.

Abraço

aTuAaUsÊnCiA

A tua ausência morde-me o tempo e já não sei muito bem contar. Contar os dias que faltam ou contar os passos obrigatórios. Sabes que o me...